Anaf responde Textor e pede que ‘instituições ajam’ contra dono da SAF do Botafogo

Publicidade

A Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf) emitiu uma nota oficial nesta sexta-feira (8) após John Textor afirmar que possui evidências em áudio de árbitros reclamando de não receberem as propinas prometidas.

No documento assinado por Salmo Valentim, presidente da entidade, a Anaf diz que, caso o acionista majoritário da SAF do Botafogo não tenha provas, deve ser banido do futebol.

Veja abaixo a nota:

A ANAF – Associação Nacional dos Árbitros de Futebol, repudia com veemência as acusações infundadas e totalmente descabidas do empresário John Textor, dono da SAF do Botafogo, que sabe-se lá por que não de hoje abriu “guerra” contra a arbitragem brasileira.

Questionar a atuação dos árbitros no campo de jogo por uma falta não marcada, um pênalti deixado de ser assinalado ou uma advertência aplicada de maneira equivocada é uma coisa, afinal de contas somos seres humanos. Agora, dizer que na arbitragem brasileira há árbitros que se “vendem”, é uma acusação gravíssima que põe em xeque não só a categoria, como também toda a estrutura da CBF.

“SE JOHN TEXTOR NÃO PROVAR O QUE DISSE, ELE TEM QUE SER BANIDO DO FUTEBOL BRASILEIRO! NÃO HÁ OUTRO CAMINHO E, DIANTE DO QUE ELE DISSE, AS INSTITUIÇÕES PRECISAM AGIR”.

É inaceitável que um dirigente responsável por um dos mais importantes clubes do futebol nacional tome uma atitude pequena e lamentável como essa. Como representante legítima dos árbitros, a ANAF vai tomar todas as ações necessárias para que ele possa esclarecer suas declarações e iremos buscar todos os meios para que esse péssimo exemplo não se repita.

A arbitragem brasileira é formada por homens e mulheres de bem! E John Textor deveria ao invés de atacá-la, trabalhar e cobrar da CBF sua profissionalização. Isso é melhor do que falar besteiras, sem provas, na imprensa.

Salmo Valentim Presidente da ANAF

O que Textor disse e como afirmou que irá agir?

O norte-americano havia afirmado que possui evidências em gravações de árbitros reclamando de não receberam propinas prometidas e ‘nos próximos 30 dias os fãs vão saber o que realmente aconteceu no campeonato’. O dirigente garante que houve manipulação e erros nos anos de 2021, 2022 e 2023.

“Nos últimos jogos do ano passado, o ódio foi tão forte que foi muito difícil para nós assistirmos. Não pode ser assim. Não vamos ganhar campeonatos assim. E os fãs vão ficar sabendo, nos próximos 30 dias, o que realmente aconteceu no campeonato. Eles sabem o que eu sinto sobre isso, mas eu não vou divulgar isso na imprensa. É irresponsável. Os juízes na corte esportiva não deveriam estar fazendo piadas com ninguém sobre manipulações e erros”, disse ao jornal O Globo.

“Alguém dizer que não há corrupção no Brasil, quando eu tenho juízes gravados reclamando de não terem suas propinas pagas… Talvez a CBF não devesse me processar. Eu não acusei o Ednaldo. Nunca disse nada sobre ele. Ele não é um corrupto. Ele é um homem que comanda uma organização que provavelmente precisa administrar melhor a corrupção externa. Porque é uma batalha contra fatores externos. É uma batalha que existe e está aqui. Houve manipulações e erros em 2021, 2022, 2023, e nós temos provas”, completou.

No ‘X‘ (antigo Twitter), Textor declarou como irá atuar em relação à denúncia contra a arbitragem brasileira.

“Para esclarecimentos sobre questões relacionadas a litígios iniciados por CBF e afiliadas, saiba que não litigaremos por meio da imprensa. Fornecemos evidências e documentação responsivas, primeiro, por meio de processos oficiais”, escreveu.

Ao final de 2023, John Textor contratou a empresa Good Game!, que utilizou um método próprio para montar um relatório e avaliar os erros de arbitragem durante o Campeonato Brasileiro e como eles impactaram na classificação final.. O dirigente enviou um pedido de inquérito ao STJD, que, posteriormente, foi arquivado.

Cabe lembrar que o acionista majoritário da SAF e o próprio Botafogo estão sendo processados na Justiça por Ednaldo Rodrigues, presidente da CBF, por conta da entrevista que o norte-americano concedeu após a derrota para o Palmeiras no Estádio Nilton Santos.

Próximos jogos do Botafogo: